Dilacerado

Ficha Técnica

Produção e Direção Artística: André Morais

Direção Musical: Pedro Medeiros e Herlon Rocha

Mixado por Marcelinho Macedo

Masterizado por Carlos Freitas, Estúdio Classic Master

 

 

"Me impressiono com a sensibilidade das suas escolhas e com a exatidão das suas interpretações. Em cada uma das belas canções compostas, revelações veladas de um grande artista.A arte respira em cada faixa. Forte como uma pétala e frágil como um voo coletivo de pedras, sua bela voz é uma grande descoberta. O disco é um oceano de singularidades, de delicadas somas entre o amor e a sensualidade. Na pele e no sentimento de tudo". 
Lau Siqueira, poeta
 

 

Dilacerado é um disco de amor e erotismo. Poesia conduzida por forte desejo, num universo particular que une corpo, natureza e divino. Segundo álbum da carreira de André Morais, o trabalho apresenta dez canções de sua autoria em parceria com importantes nomes da música brasileira, além das participações especialíssimas de Elza Soares e Naná Vasconcelos.

Parceiro de criadores como Chico César, Carlos Lyra, Sueli Costa e Ná Ozzetti, desde muito cedo, Morais mostrou-se um artista versátil, com uma inquietação criativa que alcança a música, a poesia, o teatro e o cinema. Com anos de carreira e reconhecimento na diversidade, essas experiências se unem em seu trabalho musical, trazendo teatralidade aos palcos, cinema e música à sua poética.

           Em estado permanente de poesia, Morais construiu, ao longo de três anos, canções pautadas por um amor lascivo, mas também com uma forte ligação com a natureza, com Deus e com o ser poeta no mundo. Em versos como “me ame sem pele, sem lábios, sem o que me faz ser amado, me ame assim: dilacerado...”, ele transforma esse novo trabalho no canto de seu orbe mais íntimo. Sua poesia, aos poucos, foi tocando antigos e novos parceiros, que as traduziram em música, nascendo assim as canções de amor que formam o seu Dilacerado.

 

DILACERADO – FAIXA A FAIXA, por André Morais

 

1. Dilacerado (Lucina / André Morais)

Essa canção abre meu disco num apelo. “Ei, você, me ame agora...”. Achei que seria forte e bonito começá-lo assim, chamando para perto, abrindo os braços. Me ame como sou, como estou, como fui “sem pele, sem lábios, me ame assim: dilacerado”. É uma poesia de um lugar muito íntimo, que às vezes nem eu mesmo consigo acessar, e não há o que explicar, só sentir. A canção é uma parceria minha com Lucina, compositora que tanto admiro, e que entende minha poesia como ninguém. No belo piano de Herlon Rocha, se unindo ao violino de Renata Simões, ao baixo de Iradi Luna e aos sons eletrônicos de Didier Guigue, tudo foi construído coletivamente, deixando fluir como água.

2. Confissão (Seu Pereira / André Morais)

Delicada e agressiva, a guitarra de Pedro Medeiros conduz, vibra, e eu canto “confesso, no meu verso há um quê de perverso...”. A canção é livre, solta, o arranjo não tem compromissos. “A solidão dissonante”, que está nos versos, é uma busca, as notas parecem fora de lugar, as palavras são cantadas e ditas, deixando vibrar. Recito na faixa um poema de Mia Couto, forte, amoroso, que me toca muitíssimo, e que se integra à canção de forma sublime.  Na participação incrível de Naná Vasconcelos, cheia de sussurros, gritos, gemidos e graves percussivos, tudo se une para a criação de um universo dissonante, uma dança à beira abismo.

3. Chuvosa (Michel Costa / André Morais)

É um poema sem fôlego. De um amor à vida, a alguém, ao ato de se libertar, e de uma dor que não cabe no peito. “Meu coração bate sem medo, me sai pela boca, foge da prisão do peito...”. Explicar ou relatar sobre o fazer poético é sempre pequeno, só digo que aqui as palavras são para mim puro sentimento. A canção vai sendo conduzida com densidade pelo piano delicado e quase erudito de Herlon Rocha, e voa nas notas agudas da viola de arco de Ulisses Silva. O baixo acústico de Victor Mesquita dá o peso necessário e eu canto como quem se liberta.

4. Nua (Chico César / André Morais)

Parceria minha com Chico César, a canção é um tango rasgado, cheio de libido. O acordeon de Helinho Medeiros se une ao baixo de Victor Mesquita e ao violão de Pedro Medeiros numa pulsação forte, vibrante, cheia de desejo. A voz de Elza Soares traz a aspereza e o respiro dramático perfeitos, elevando a faixa a um dos pontos altos do disco. Ouvir minha voz se unindo a dela é algo emocionante. “Do sublime ao veneno...”.

5. Alarido (Lucina / André Morais)

Aqui a poesia é doída, sem subterfúgios, de uma verdade direta e sem rodeios. “Eu te traí, meu bem, no primeiro trem para o abismo...”. A confissão do eu-lírico se faz cortante, embora o amor ainda esteja pulsante, latejando. O arco passa pelas cordas do baixo acústico de forma melancólica, o violão insiste em soar os baixos e o piano traz a delicadeza do ser que confessa seu sentimento mais íntimo. “Sem meias palavras, te digo, te amo como respiro...”.

6. Teu (Michel Costa / André Morais)

Essa canção é cheia romantismo. Leve, suave. Convida à dança. “Dança comigo uma noite em claro...”. Parceria minha com Michel Costa, artista paraibano e amigo sincero, ela tem um espírito afetuoso e terno, como meu querido amigo parceiro, e adoro ter esse respiro no disco. O piano é condutor dessa delicadeza, o violão de aço faz a canção abrir os braços, enquanto o baixo faz notas longas e lânguidas com o arco. Os versos, sem medo, se declaram. “Aqui estou eu, despudorado...”.

7. Deserto (Seu Pereira / André Morais)

Deserto é fortemente dolorosa. Canção de laços desfeitos, de rompimento e solidão. “Sou eu aquele cavalo negro, a correr no deserto do amor desfeito...”. As imagens vibram, como num filme, o amor em estilhaços ascende a liberdade do ser solitário na vida. Parceria minha com Seu Pereira, grande artista paraibano, que deu uma força surpreendente ao que escrevi. O violão ressoa forte, sem pudor. Mais uma vez a participação de Naná Vasconcelos traz uma densidade vibrante para o arranjo, com seus tambores e galopes.

8. Fé (Giana Viscardi / André Morais)

Quando recebi a canção, feita por Giana para meus versos, ela era nua, sem harmonia, só uma voz doce e apaixonada cantavam as notas. Ela me confessou que estava se apaixonando quando colocou melodia em meus versos, fiquei emocionado com seu sentimento, estava na sua voz. Quis ser fiel a ela e gravamos apenas em voz e violão. Eu e Pedro Medeiros numa simbiose sublime, na união de cada respiração. Os versos são o meu olhar, a minha crença na vida, no amor e no outro. “Creio no acaso sagrado que nos bota lado a lado...”.

9. Orgia (Seu Pereira / André Morais)

Essa é uma canção de amor. Pura e simplesmente. Embora esteja longe de um amor romântico a dois. A letra relata uma noite de orgia entre três ou quatro pessoas, no chão, a trocar carícias, gozos e solidões. Imagens como “uma barba roça na minha, uma mão se encaminha...” ou “... deitados sobre o assoalho, ao revirar dos abraços...”, desenham um universo de puro sexo e afeto. Seu Pereira, novamente conseguiu captar bem a delicadeza e sensualidade do poema e trouxe uma melodia que baila lenta, leve. O arranjo une baixo acústico, guitarra, bateria e voz, gravados juntos, deixando o êxtase dominar.

10. Delito (Lucina / André Morais)

Essa foi a primeira parceria que surgiu com Lucina, e é bonito iniciar e terminar o disco com o nosso encontro, porque ele foi e é forte, nossa irmandade artística é muito importante pra mim. A canção é forte, densa, e apostei apenas num voz e piano. Eu e Herlon Rocha gravamos juntos, sentindo a respiração do outro, e seu piano é emocionante. Deixo os respiros e as pausas acontecerem no tempo da emoção. “O poeta guarda no verso o seu delito...”, momento chave desse trabalho, que mostra bem o universo íntimo construído nessas 10 canções. Deixo aqui meu recado.


Discografia

  • Dilacerado (2015)

     
  • Bruta Flor (2011)

     

Vídeos

+ Vídeos

 

 

 

André Morais